Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Apresentados

Quanto mais a gente se baixa, mais se vê o cu

Desde que isto tudo começou só vê ainda mais gente desgraçada. Vida fácil nunca teve, sair de casa de noite e noite chegar nunca foi um sonho. Tantas vezes exausta, a impaciência a pôr-lhe os nervos em franja, ainda inventar alguma coisa para o jantar com o que sobra na dispensa, cerelac e cereais já os miúdos deitam pelos olhos. E torcer para que sobre para o almoço amanhã, massa com milho já enjoa. Mas como diz a outra senhora, bifes todos os dias não é pra quem quer, é pra quem pode. Ah, peixe então não o cheiram há meses, douradinhos marca branca e cavala, que o atum tem estado ao preço da lagosta. Chama-se roda das necessidades, aprendida na escola como roda dos alimentos. E quase a adormecer no sofá lembra-se de confirmar se os miúdos fizeram os trabalhos, ou pelo menos se viram as professoras na televisão, que computador em casa não há, houve um subsidio de férias que guardou para isso, mas depois o frigorífico estragou-se e pronto, dinheiro não é elástico, não resiste às pri

Mensagens mais recentes

Às Mulheres do Couço

Não é permitido assobiar para o ar

Uma vida a ser insultada

Daniel and Katie

À imprescindível e doce Conceição

AND THE OSCAR GOES TO... Karl Marx!

A lixívia dá cabo das mãos

Moveram uma pequena montanha

Gervásio, um homem levantado do chão

À Vitalina